terça-feira, 14 de julho de 2009

Vamos brincar ?

A sexualidade é algo que ainda assusta muito tanto mulheres quanto homens, é muito curioso e divertido a descoberta de nosso corpo e de brinquedinhos que não são nada convencionais, mas que fazem a alegria de adultos de todas as idades. O vibrador, por exemplo, é um “brinquedo” que não se destina somente a mulheres, mas para o casal. Calma, aos meninos leitores deste blog, não tenho a intenção de ser “subversiva” a idéia é para vocês usarem o vibrador nelas como uma preliminar diferente, mas para aqueles que forem mais liberais sugiro também uma brincadeira diferente, pois já li diversos artigos dizendo que o Ponto G masculino esta localizado na próstata sem falar o fascínio que o bumbum masculino causa em algumas mulheres além é claro da própria fantasia da inversão dos papéis, mas isso e assunto para outro dia...

Bom mas voltando a falar de “Brinquedos p/ adultos” este tipo de entretenimento além de diferente também traz muita cumplicidade para o casal, e para nós meninas, já passou da hora de nos libertarmos de “pré-conceitos” (sim a escrita foi intencional) já que muitas de nós têm o conceito prévio seja por criação ou imposição da sociedade que a mulher deve se resguardar de ter prazer e que isso é coisa de “putas” ou “mulher sem vergonha”, já que mulher direita faz sexo só depois de casada e com o marido com a única finalidade de procriação. A faça me o favor né ? É hora de conhecermos o que a vida tem a nos oferecer...

Uma boutique erótica ou sex-shop, por exemplo, qual mulher nunca teve pelo menos a curiosidade de entrar e conhecer uma? Se não teve deveria ter... Conheça os brinquedos, o que eles podem trazer para o casal, e principalmente o que eles proporcionam para você, falando um pouquinho do vídeo da postagem anterior, a fisioterapeuta que é entrevistada pelo Marcelo Tas diz “... a mulher que tem dificuldade de atingir o orgasmo geralmente ela tem a consciência corporal um pouquinho diminuída e a força muscular (dos músculos internos da vagina) dela esta alterada justamente porque ela não se conhece...” logo adiante o Tas faz a seguinte pergunta: “Você percebe a relação entre uma pessoa que não tem consciência de sua vagina e uma má relação com o marido?” E a resposta é “As mulheres que não tem consciência de sua vagina geralmente tem a queixa de terem dificuldade de atingir o orgasmo, como é que ela vai instruir o parceiro dela se ela não sabe o que é bom ? Então Cris você esta dizendo que as meninas tem que se estimular que elas se toquem e se masturbem ? NÃO...” chego então ao ponto que eu queria, como NÃO ? A Mulher deve ser estimulada sim a se tocar e se masturbar, lógico que tenho o bom senso de dizer que não devemos erotizar uma menina desde muito cedo, mas a masturbação feminina dever ser incentivada tanto quanto a masculina e uma das melhores formas é através dos brinquedos encontrados em qualquer sex-shop, qualquer um aquele que mais lhe agradar.

Conclusão quer se conhecer: “se toque”, “se masturbe”, “se acaricie”. Qual a forma mais divertida? Isso é com você, pode ser sozinha, a dois, a três... Mas pode ter certeza que um brinquedinho vai bem a calhar...

sexta-feira, 10 de julho de 2009

Tão longe e tão perto ...

Passeando pelo Twitter do Marcelo Tas encontrei uma série de reportagens feita para o UOL Ciência e Saúde chamada “O Mapa da Mina” que foi dividida em dois episódios um deles com o nome: “Xoxota essa desconhecida”.

É um vídeo que ilustra bem como as mulheres não conhecem sua vagina e como o órgão sexual feminino é visto como algo de “outro mundo” e até profano... Gostei muito quando o Tas fala que os cones para exercícios vaginais (ou seja: cones para pompoarismo) deveriam ser vendidos em farmácias, já que se tratava de saúde publica, mas para entender porque ele fez essa observação vocês precisam saber que no vídeo ele conversa com uma fisioterapeuta sobre exercícios vaginais e da dificuldade que algumas mulheres tem em encontrar seu “Ponto G” e até mesmo atingir o orgasmo, porém em nenhum momento ela se refere a estes exercícios como Pompoarismo ou até mesmo como sendo “Exercícios de Kegel” (terminologia da qual o Pompoar é tratado na literatura médica), uma pena ...

As pessoas deveriam falar de pompoarismo de forma mais aberta (inclusive valorizá-lo), e desmistificar a questão da vagina já que são exercícios que podem ser feitos em qualquer lugar de forma fácil, além de prevenir a incontinência urinaria (problema também citado no vídeo) afinal o mesmo é uma técnica não só voltada para a questão sexual, mas também para a saúde e autoconhecimento. No oriente esses exercícios são passados de mãe pra filha de geração para geração com a finalidade de fortalecer o períneo e facilitar o parto normal, o que me fez recordar uma aluna que em um dos meus cursos comentou que sua avó dizia que para ela ter sua vagina sempre forte deveria pegar uma caixa de fósforos e jogar os palitos no chão, para então ficar de cócoras e tentar recolher os palitos uma vez por dia, até então não conhecia esse tipo de “técnica familiar” mais expliquei que esse exercício ajuda a tonificar a musculatura do períneo, mas que existem vários outros tipos e pensei comigo: “Que bom que ainda algumas mulheres ainda tentam passar seu conhecimento de geração para geração...”

Bom achei super valida a intenção do Marcelo Tas de mostrar de forma didática e descontraída algumas das dúvidas mais comuns sobre a anatomia feminina, porém isso mostra como nós mulheres ainda estamos longe de conhecer algo tão próximo de nós como nosso corpo.